Cuidado com os Pés

É relativamente comum as pessoas terem problemas nos pés durante a prática tanto de esportes quanto de atividades recreacionais ao ar livre. As ocorrências mais comuns são problemas como bolhas, trincheiras, fascite plantar, fungos e lesões na unha.

Bolhas, trincheiras e fungos são mais comuns em atividades mais longas e/ou realizadas nos locais mais úmidos, onde os pés ficam constantemente encharcados. O fascite ataca mais em atividades muito longas ou quando se usa calçados pouco estruturados na sola e que transmitem a pressão localizada das irregularidades do piso para a planta do pé, e a lesão nas unhas está frequentemente associado ao calçado muito justo ou nos percursos com muita descida onde os pés tendem a deslizar para a frente do calçado.

Para evitar esses problemas o trabalho deve começar com a prevenção e, na hora da prática, fazer a utilização de calçados e meias adequados.


Antes de tudo você deve manter os pés em ordem. Lixar os calos e manter o trabalho de pedicure é muito importante, pois a pele macia, bem hidratada e com boa elasticidade previne melhor os problemas como delaminação e bolhas. Já repararam que as mulheres – que normalmente cuidam melhor dos pés no cotidiano – normalmente conseguem manter os pés em melhores condições do que os homens?

Bolhas e delaminação: As bolhas são manifestações decorrentes do atrito de uma determinada parte da pele com o material que envolve o pé – normalmente meia. No entanto, esse problema de atrito não deve ser considerado como decorrente da interação da meia com os pés pura e simplesmente, pois a qualidade e o formato do calçado também são muito importantes no conjunto, isso sem falar na umidade e sujeira que entram no sapato (terra, lama, areia, etc.).

Nos ambientes onde os pés ficam constantemente úmidos e a pele fica mole e enrugada – com aquele aspecto inconfundível de ameixa seca – o problema é ainda maior. A pele fica naturalmente mais fragilizada, e se você for uma dessas pessoas que tem um casco endurecido na sola dos pés (muita gente imagina que ter pele grossa e endurecida é vantajoso) pode até acabar pulando o estágio de bolhas e ir direto para a delaminação, que consiste em arrancar essa pele endurecida (ou pelo menos uma parte dela) como se fosse casca de mexerica.

Uma forma de minimizar o atrito é enfaixar de antemão os pontos cruciais, como a região de calcanhar, dedo mindinho e o seu vizinho, e a famosa área que corresponde entre o arco e os dedos, incluindo as duas laterais correspondentes. Pessoalmente, não gosto de utilizar esparadrapos para esse fim. Prefiro materiais mais finos e elásticos como Sport Tape (faixa adesiva bastante utilizada pelos ginastas). Um outro procedimento que ajuda é manter os pés bem lubrificados com a vaselina para eliminar os pontos de atrito.

Em termos de manutenção, é bom secar os pés sempre que for possível e passar cremes impermeabilizantes (como Baumex e própria vaselina). Igualmente importante é fazer tratamento para manter os pés em boas condições (hidratante, Hipoglos) e evitar a proliferação de culturas bacteriana (solução anti-séptica como Povidine) e fungos (Tralen, Micostil, etc).

Caso você não consiga evitar a formação de bolhas mesmo assim, existe um consenso entre os ortopedistas de que as bolhas devem ser drenadas e tratadas com solução anti-séptica. Estas operações podem ser efetuadas com uso de uma seringa. Se a bolha rasgar eles recomendam que você remova a pele, desinfete e cubra a área com algum produto como Second Skin (SPENCO) ou compressas não aderentes, e certificar-se de que essa cobertura ficará no devido lugar utilizando Sport Tape ou faixas auto-aderentes (Bandagem Elástica Coban – 3M).

Fascite plantar: Este é um problema não muito evidente, que, no entanto pode estragar a sua atividade. A fascite é basicamente uma inflamação de membranas que envolvem os músculos, genericamente chamadas de fáscias, e manifesta-se nos pés devido ao trauma causado por pressão sucessiva por longo período de tempo. Digo que este problema não é evidente, pois normalmente as pessoas acabam desenvolvendo as bolhas antes da manifestação da fascite. Assim, quem não tem conhecimento de causa pode achar que toda aquela dor está sendo provocada pelas bolhas ou problemas coligados.

A fascite é normalmente causada pela repetição de pressão pontual na sola dos pés, muito comuns quando se faz longas caminhadas sobre terrenos pedregosos. Esse problema pode ser minimizado quando se utiliza calçados que possuem a base mais firme e distribuem bem a pressão uniformemente pelo solado do pé (incluindo o calcanhar).

Se você estiver sentindo uma dor generalizada na sola (ou pelo menos numa parte da sola) e o pé estiver inchado, com ou sem bolhas, pode estar certo de que você está com fascite.


A dor provocada por fascite pode ser bastante intensa e normalmente incomoda bem mais do que bolhas. No entanto ela é uma dor muscular ordinária, e um ou dois comprimidos de Advil normalmente resolve por 5 ou 6 horas.

Perda de unhas: A perda da unha do pé em corrida ou caminhada acontece normalmente devido a trauma causado por pressão sucessiva do conjunto meia/calçado sobre a unha. Isso acontecer basicamente por duas razões: tamanho do calçado menor do que o ideal para o pé ou calçado com cadarço relativamente solto que nas descidas deixa escorregar o pé para frente fazendo com que a unha fique batendo na ponta.

                          

Em menor grau a qualidade da meia e a presença de sujeira e umidade influenciam um pouco. Então é bom escolher produtos adequados para a sua prática.

 

Se você vai caminhar em trilhas irregulares é recomendável utilizar os calçados um pouco maiores do que o que você normalmente utilizaria para correr sobre piso pavimentado.

Fungos: Micoses e frieiras já estiveram presentes na vida da maioria dos atletas, pelo menos em alguma fase da vida. Assim sendo muitas pessoas sabem o quanto esses funguinhos podem nos incomodar.


A melhor maneira de evitar esse tipo de problema é manter os pés secos sempre que possível e utilizar meias que criem ambientes menos favoráveis para instalação e procriação destes microorganismos. Fibras naturais como algodão nem pensar.

Existe também um procedimento preventivo bastante eficiente que é a utilização periódica de cremes fungicidas como Tralen, Micostil e outros afins.

Caso você se veja numa situação em que os fungos já começaram a se desenvolver, mas precisa continuar a atividade, é recomendável mergulhar os pés na solução de permanganato de potássio por cerca de 15 minutos. Esse produto mata todo fungo que esteja no seu pé, com o inconveniente de deixar as unhas enegrecidas. Evidentemente tem que cuidar para não deixar eles se instalarem novamente.

 



























Atleta cuida dos pés durante o Campeonato Mundial de Corrida de Aventura.

Texto por Luiz Makoto Ishibe